Outubro Rosa


O rosa é suave, delicado, mas marcante. É tido como uma cor feminina, como aprendemos desde pequenos. O símbolo feminino é colorido de rosa, o masculino de azul. Tornou-se parte da identidade de gênero como foi construída dentro da nossa sociedade. 

Mas gênero é um assunto complicado, pois diz respeito a quem nós somos. A mulher cresce ouvindo sobre ser mãe - dizem que ela é seus seios e seu corpo. Por isso, o câncer de mama afeta tão profundamente a identidade feminina: não é só perder parte do corpo, como perder uma parte que constitui essencialmente como ela se vê. Perdendo um pedaço do que aprendeu a mais valorizar, a mulher tem dificuldade em manter esse pedaço em sua confiança. E é um câncer comum que vem com uma facilidade enorme - a princípio, em silêncio. 

Em Outubro, todos nos lembramos disso. Essa dor que faz parte do dia a dia de inúmeras mulheres chega até nós e vemos a fragilidade que é o corpo humano. No entanto, vemos a força que possui cada uma dessas pessoas. Esse foi o detalhe presente nas campanhas desse ano. Algumas sutis, outras direto ao ponto - o que se vê é a tentativa de chamar atenção para a facilidade do autodiagnóstico, a necessidade de lembrar dessas mulheres e a possibilidade de se reconstruir mesmo depois da doença. A verdade é que uma grande quantidade delas passa a descobrir que não são os seios que as tornam femininas, mas elas mesmas. E isso é o lado mais bonito de tudo. 

Separamos, então, uma lista das melhores campanhas de 2015. Todas, de certa forma, dizem o mesmo: lembre-se. Dessas mulheres, dessa doença, do cuidado. É preciso falar do câncer de mama, sempre.

  • IBCC: Sabe aquela campanha do Câncer de Mama no Alvo da Moda, em que as blusas traziam um alvo azul e preto no peito? Essa propaganda comemora os 20 anos da campanha e convidou famosos para uma sessão de fotos; o que leva essas celebridades a carregar emoção de fato nas fotos é o que torna o vídeo incrível. 
  • Vasenol: Para recuperar a autoestima de várias mulheres vítimas do câncer de mama, a Vasenol contratou tatuadores para reconstituir a imagem dos seios: o resultado é emocionante.
  • Avon: A Avon fez um comercial mais sutil, focado na estética.O diferencial é simples: a representante da beleza feminina no vídeo é, simplesmente, Candy Mel, cantora da Banda Uó e transsexual.
  • #nudefightagainstcancer: Uma campanha que questiona um tabu: por que os seios das mulheres são sempre censurados, ao passo que a visão do peito masculino é considerada comum? Com base nisso, os idealizadores propuseram uma forma diferente de chamar a atenção para o câncer de mama.
  • Fundação Laço Rosa: Essa campanha propõe a mudança no olhar - como mulheres comuns se veriam com o corpo modificado? A reação, então, é inspiradora.
  • Lingerie Solidária: Sutil, mas que atraiu o mundo todo. Como propagar a mensagem que é preciso lembrar do câncer de mama, de forma simples e fácil de ser executada? Propondo que fossem tiradas selfies mostrando uma alça do sutiã, com uma legenda que mostrasse o propósito. Pronto: a adesão das pessoas foi rápida e a campanha se espalhou.
  • A Crucial Catch: Talvez a mais surpreendente, por se tratar da NFL - representante do futebol americano nos EUA. Um esporte majoritariamente masculino, cujo público tende a ser masculino, chamando a atenção para uma doença feminina. Dessa forma, a NFL adquiriu um posicionamento impressionante, que provavelmente atingiu pessoas que não seriam do alcance de outras campanhas.

Astrologia: um cálculo de múltiplas variáveis


Um tema tão ‘de humanas’ merece um título tão ‘de exatas’? Merecimento é algo discutível, mas acho que era necessário. Nesse atual contexto de exaltação das qualidades do “ser de humanas”, a astrologia se torna um equipamento necessário na bagagem dos novos pensadores. Entretanto, a superficialidade das informações leva à não relativização das características zodiacais, gerando um estado de entropia dos que partilham esse conhecimento mais a fundo.

Desafio #26 - Sentido


Aqui na Cria, a Redação e a Direção de Arte trabalham em conjunto para que o produto final dos nossos clientes seja o melhor possível. O Sem Pauta dessa semana é só mais uma demonstração do quão alinhados e unidos esses núcleos são. Uma amante das palavras e um louco por design se desafiaram a escrever sobre diferentes sentidos de uma mesma palavra e deixaram as emoções tomarem conta. Vamos conferir? 

Voo



Certas tristezas tomam-lhe o ar, feito aquela pancada na boca do estômago. A lágrima reverbera pelo corpo todo, unindo o físico e o emocional numa inconstância aguda.

Outubro do "terror"



Aproveitando o clima de antecipação do Halloween, duas séries de “terror” foram lançadas nas últimas semanas, ambas criadas pelo produtor, diretor e roteirista, Ryan Murphy. Apesar de significativamente distintas, tanto Scream Queens quanto American Horror Story: Hotel apostam numa mesma fórmula, muito usada por Ryan Murphy em suas séries: ambas contam com grandes nomes do mundo do cinema e da música para atrair audiência.