tpm + chocolate: pleonasmo

Toda mulher sabe o que significa comer um chocolate na TPM. É mais do que necessário, é vital!
Na TPM nos sentimos um lixo, odiamos o mundo, odiamos as pessoas do mundo, odiamos pessoas, odiamos odiar... estamos naqueles dias em que viramos leoas rabugentas prontas pra atacar mas também, a qualquer sinal de agressão desatamos a chorar incontrolavelmente.
E é aí que entra nosso grande amigo...o chocolate.
O chocolate adoça nossa vida... sem ficar falando na nossa cabeça que devemos manter a calma, respirar fundo, não descontar a raiva nos outros.
O chocolate não nos chama de manhosas, choronas, bestas e infantis.
Não nos manda maneirar e parar de dar patada!
Ele nos entende... ele nos completa... comer um chocolate nessa hora é fundamental para continuar respirando.
Tudo bem que pode bater aquela depressãozinha de ter engordado tanto em tão pouco tempo, tão pouco prazer por tanto tempo de barriga pela frente... e o que fazemos nessa hora? Comemos mais... porque estamos tristes... e tristeza e chocolate se completam. Entramos em um círculo vicioso...
No dia seguinte, após gramas e gramas desse neguinho gostoso, nos olhamos no espelho e lá estão elas!! As queridas amigas espinhas! Como não nos prestigiariam nesse momento misto de hormônios à flor da pele e gorduras enviadas goela abaixo sem dó?!... Óbvio que elas chegariam... em bando!!
O que fazemos nessa hora? Odiamos as espinhas, odiamos o espelho, odiamos a base que não é capaz de esconder as vermelhinhas, e desatamos a chorar. O que acontece então? Comemos chocolate...
Vocês podem perceber como o chocolate na TPM é imprescindível. É algo que não se pensa, não se planeja, ele surge! Você nem percebe e já está na vendinha mais próxima trocando pratinhas por uma barra repleta de cacau... e iniciando mais uma vez o ciclo mensal dessa duplinha inseparável.
Aquela que nunca comeu chocolate na TPM que atire a primeira barra...

I heart chocolate!



Chocolate é uma das melhores coisas do mundo! Serio. Chocolate faz a cabeça das pessoas. As pessoas comem chocolate o tempo todo, pensam em chocolate, vêem chocolate, vivem chocolate! Vivemos em um mundo chocoholic!

Mas as pessoas amam TANTO o chocolate, mas TAAANTO, que não se contentam somente em comê-lo. As pessoas usam chocolate nos mais variados campos da vida. Sem falar nos cosméticos, hotéis construídos do material de cacau, parques temáticos na China, até a casa da bruxa de João e Maria! O chocolate está em todos os lados!

Mas é na arte que o chocolate toma suas formas mais variadas (e não estou falando da escultura de David Beckham! http://bit.ly/182wk7) e mais exóticas. Como uma imagem vale mais que mil palavras (sic), vamos nos deliciar ocularmente com o que o chocolate pode oferecer de mais bonito!















Chocolat

E o tema da semana é... CHOCOLATE! Prá tornar a semana mais feliz e gostosa!

Dica co Sem Pauta: Chocolat (2000).

Como resistir a um filme com o Johnny Depp na capa, comendo um delicado chocolate entregue por Juliette Binoche? Nove, em cada dez pessoas, amam chocolate. Onze, em cada dez mulheres, amam o Johnny Depp. Mas não foi só isso que levou às 5 indicações ao Oscar em 2001.

Vianne (Juliette Binoche) chega com sua filha a uma pequena vila, cheia de pessoas muito antiquadas. Lá, abre uma loja de chcolates, que tenta a todos. Não só aos moradores, mas ao expectador também. Cada chocolate sendo feito, exposto e apreciado faz com que quem está do outro lado da tela sinta a tentação. E, ao cair nessa tentação, os antiquados moradores vão se sentindo mais livres, mais felizes. Vianne, tão boa em descobrir os desejos pessoais de cada freguês, acaba sendo levada a pensar sobre seu próprio desejo, ao conhecer Roux (Johnny Depp. Um doce à parte). E aí se desenrola o romance do filme.




Se vale à pena? Claro! Mas recomendo separar uns chocolates para a hora do filme. Prá não ter que interrompê-lo para ir comprar, porque a tentação é gigantesca!

quando se tem 10 anos

desculpa o atraso da postagem que seria pra quarta-feira! My fault

Bom, quando eu tinha dez anos já me sentia um moçinha... tinha uma irmã de 4 anos, e perto dela me sentia enorme...
Nessa época a gente começa a achar os meninos bonitinhos, eu começei a escrever poesias pras minhas paixõezinhas platônicas... como era bom essa época...
A gente esperava loucamente pelas férias, pelo aniversário, dia das crianças, Natal. Tudo era motivo de festa...
Quando a gente conhecia alguém que fazia faculdade.. nossa!! Aquilo que era um adulto de verdade! Sabia dirigir, era grande bem resolvido e tinha DEZOITO ANOS!!
Dezoito anos pra mim era uma coisa muito grande... eu fazia meus planos... quando eu fizesse dezoito anos eu ia ser assim assim e assado, ia fazer isso aquilo e aquilo outro...
Com dez anos eu brincava de boneca, mas também me arrumava pras fesinhas de aniversário...e ficava roxa de vergonha na hora do com-quem-será. Eu sentava no meio dos adultos e me fazia uma lady, conversando como se soubesse de tudo, mas era só passar um animalzinho na minha frente que eu saia correndo atrás dele e voltava imunda.



Quando se tem dez anos náo se sabe exatamente o que é. Pra mim, ter 10 anos é perceber que você realmente vai crescer e ser grande igual a todos os adultos. Só não imagina que vai ser tão rápido...
Se eu voltasse aos meus dez anos hoje, não me preocuparia em me portar como moçinha, em fazer bonito para os meninos gatinhos, nem em planejar o que eu faria quando estivesse com 18 anos... eu aproveitaria pra brincar, me sujar, correr, rir.. e prolongaria minha infância até os 20 anos. Não que eu não tenha feito isso... porque eu acho que prolonguei minha infãncia até os 20, e perto dos 21 agora, penso em adiar para 30 anos... mas eu seria SÓ criança... nada mais!

Tio Calça Quadrada

E aí, o que você estava fazendo há 10 anos? Foi com essa pergunta que começou a campanha para o aniversário de 10 anos da CRIA UFMG Jr. Desde então eu tenho recebido uma overdose de informações sobre 1999. Bem, o núcleo de planejamento abraçou a causa e fez com que todo mundo se lembrasse dos slogans da Coca Cola, do nascimento do Messenger, que o fim do mundo estava próximo, do Bug do milênio, de informações do mundo pop, o tão esperado Episódio I do Star Wars, da criação da Ambev, do famigerado Dreamcast, da Propaganda do tio da Sukita, e, infelizmente, dos fatos futebolísticos de 99.

Tá, eles falaram praticamente tudo que aconteceu em 1999. Exceto uma das coisas mais legais e non sense de todas. Era nesse ano que surgia um dos desenhos de maior popularidade hoje em dia: Bob Esponja. Eu já falei aqui mesmo no Sem Pauta o tanto que eu venero essa criatura do fundo dos mares. Mas sem maiores delongas, a criação de Stephen Hillenburg foi a coisa mais importante que aconteceu nesse ano.



Se pensarmos em termos de quantidade de episódios, nem foram tantos. São apenas 125, o que dá uma média de 12 por ano. Mas mesmo assim a esponja amarela conseguiu conquistar o público de todas as idades e ficar no ar esses 10 anos. Não são muitos desenhos que conseguem atingir esse feito, ainda mais com o apelo provocado pelo Bob.

E não dá pra negar que ele é carismático. Os números provam isso mais fácil que as palavras. Só para vocês terem uma ideia, ele já foi traduzido para 29 línguas e é transmitido em 170 países. E eu nem consigo imaginar tantos países assim...

E a Nickelodeon está promovendo uma campanha pesada de divulgação desses 10 anos. Afinal, é o desenho deles que mais fatura e o mais conhecido no mercado. Então, desde o início do ano sua programação está tendo espasmos de Bob Esponja. Até uma estátua de mais ou menos 2 metros de altura está rodando o mundo. Até pelo Brasil ela passou, no Rio de Janeiro e São Paulo.

Enfim, meus parabéns para um dos meus personagens favoritos. Vou deixar vocês com as três vinhetas fantásticas que a MTV fez em homenagem a um dos desenhos mais divertidos de todos os tempos... (e depois ainda falam que só teve desenhos bons quando a gente era criança)




Quando eu tinha 10 anos...

O tema dessa semana é 10 Anos, e é quase isso mesmo que demoramos pra começar a postar.

Quando eu tinha dez anos, eu queria trabalhar na Lego. Me imaginava desenhando os sets mais cabulosos (eu tinha grandes projetos para uma floresta do Tarzã feita só de Lego). Até assinava a revista deles, que era em inglês (portanto não entendia nada), só pra me sentir mais parte do negócio...

Quando eu tinha dez anos, eu queria ser (também) arqueologista. Depois de ter visto Parque Jurássico, meu sonho era viajar pelo mundo e desenterrar esqueletos antigos (com a secreta ilusão de que um voltasse à vida e eu pudesse viver algumas das minha cenas favoritas do filme).

Quando eu tinha dez anos, falava com o rádio. Isso mesmo. Eu, inocente criança, acreditava que, falando no alto falante, eu seria ouvido. Acho que o negoço caiu por terra rápido quando percebi que ninguém me respondia.

Quando eu tinha dez anos, jogava Prince of Persia por horas a fio. O que é meio irônico, sendo que o jogo dura só uma hora. Mas como eu era meio ruim, tinha que começar tudo de novo frequentemente.

Quando eu tinha dez anos, escrevi três livros: "Wafi, o guerreiro", "Pete, meu amigo dragão" e "Líquen, o dinossauro" (uma falta de criatividade total na hora de dar nomes, mas ei, eu tinha dez anos). Eles tinham uma três páginas cada um, e eu lembro inclusive de ter feito ilustrações a mão!

Quando eu tinha dez anos eu ainda acreditava nos Reis Magos, uma tradição lá da Argentina na qual você ganha presentes no dia 6 de janeiro. Eu achava piamente que eles vinham com seus camelos para minha casa e deixavam os presentes.

E para todo aquele que pensou "você era um retardado quando tinha dez anos", eu respondo "quando eu tinha dez anos, não falava palavrões. Agora que cresci, posso te mandar"... deixa pra lá.

Está a fim de uma DR? (ou "Me dá meu chip, Pedroooooo")

Pra quem não entende de siglas, a DR é a boa e velha Discussão de Relacionamento. Eu falei boa? Desculpa, corta ela da frase anterior que vai ficar tudo certo. E desde já eu peço desculpa pelo post que vai vir agora. Ele provavelmente vai ser machista e cheio de problemas, mas é que eu tenho o mesmo nível sentimental de um tijolo, aí já viu...

E, como um bom tijolo, eu não tenho paciência nenhuma para DRs. Quando a mulher olha para você com aquela cara de problema à vista, você já pode começar a desconfiar que alguma coisa está errada. Se ela emendar com um “amor, a gente precisa conversar”, saiba que vai dar merda.

Eu sempre tive problemas com isso. Nunca escapei de um DR ileso. Se não rolasse um choro, rolava uma briga. Pra no final tudo se acertar e voltarmos bem. Então pra que raios a DR existe?

Tá, eu até consigo entender que, teoricamente, ela é muito importante. Se alguém está com algum problema, é melhor falar logo que ficar guardando aquilo, ainda mais se o casal tem planos para o futuro. Mas as mulheres deviam repensar a forma de fazer isso.

E quando eu falo “as mulheres”, é porque geralmente são elas que começam. E nos piores momentos do mundo. Geralmente é quando você está jogando vídeo-game, tentando se concentrar em alguma leitura, ou mesmo assistindo alguma coisa muito interessante. E nada me irrita tanto quanto ser interrompido quando estou extremamente concentrado.

Se ela acabar bem, menos mal. Mas DRs que tendem a acabar em brigas são sempre problemáticas. Ainda bem que eu sou um cara tranquilo que espera nunca fazer uma baixaria na rua. Como o Lott falou há alguns posts, o povo adora ver uma briga. E ainda mais quando é uma briga de um casal barraqueiro. Geralmente esse briga vem de onde? De uma DR, lógico...

Então mulheres, pensam duas vezes antes de começar qualquer discussão. Revejam a forma como vão falar, pensem um pouco mais antes de vir, ok? Caso contrário, podemos acabar em um barraco épico e ir parar no You Tube. Aliás, o vídeo do momento dos últimos dias é um epic barraco.

PEDROOOOOOOOOOOOOOO, ABRE A POOOOOOOOOOORTA. ME DÁ MEU CHIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIP!

Top 10 Brigas

Aproveitando que estamos falando de brigas, o Sem Pauta oferece o que todos mais gostam: Um ranking! Aqui vão as maiores, ou melhores, brigas da humanidade.

Caín x Abel: Talvez a primeira de todas, esta acabou em morte. E o coitado do Abel nem sabia que estaba brigando! Junto com a primeira briga veio o primeiro golpe baixo.

Davi x Golias: Se você sofria bullying na escola, esta é sem dúvidas sua favorita. O pequeninho que conseguiu derrotar o gigante... que pena que os tempos eram outros. Mesmo assim, sempre leve um estilingue com você. Nunca se sabe quando haverá um chance de usá-lo.

João e Maria x A Bruxa: Esta aqui é épica. Mesmo nas garras da velha má, a dupla chutou a bunda (literalmente) da contincante e fez ela virar churrasquinho!

Lebre x Tartaruga: Tudo bem que não foi uma briga, foi mais uma competição, mas mesmo assim a tartaruga ganhou nossos corações com sua dedicação, e, mais importante, humilhou a lebre. EPIC WIN!

Maria Antonieta x Povo Francês: Pode falar o que você quiser sobre a Revolução, mas todos concordam: Foi um exagero a Maria ter de perder a cabeça. Mesmo assim, ela teve seus momentos de vitória, como quando mandou o povo comer tortas (ao parecer, a famosa frase não é dela, mas que pegou, pegou).

Saruman x Gandalf: Talvez uma das cenas mais empolgantes do cinema dos últimos tempos (até mesmo porque nunca teve uma Harry x Voldemort realmente satisfatória), a luta dos dois velhos marcou a infância e juventude de todos. O Gandalf poderia ter ganhado...

Melissa x Yvone: "Vadia! Bagabunda!" Precisa dizer mais? Talvez sim: "Eu sei ser fina, querida, mas também sei ser chave de cadeia"

Ronaldo x Gordura: Não dá para comentar muito porque acho que ainda não acabou... mas dá-lhe, Ronalducho!

Madonna x Velhice: Precisa falar? A Madonna ganha, claro! E com o Jesus do lado!

Maitê x Megale: Para mais informações, veja respostas ao BEC 160.

brigar pra que?

se é sem querer... quem é que vai nos proteger...
Dá-lhe Renato Russo. E respondendo a sua pergunta: brigar pra que? Por que a gente briga?
Eu por exemplo, tem dias que eu levanto da cama com um desejo interior de brigar com alguém. Provoco todo mundo, sendo hostil, grosseira, provocativa... até conseguir alguém que tope cair na discussão comigo. Depois que passa minha vontade, me sinto leve, bem, outra pessoa. O problema é que o meu adversário nunca quer acabar a briga quando eu quero. Sempre vem com o discurso de "não senhora, as coisas não estão bem não" Lógico que estão. Pra mim estão! Povinho complicado einh?
Toda mulher tem esse desejo de pegar alguém e arrancar o pescoço. Lógico que tem. Até a Sandy tem!

Aí a gente afoga o grito no travesseiro, soca o colchão e come um chocolate. E depois chora. Lógico. Chora pra descarregar a energia da raiva. Chora porque nao teve ninguém pra brigar. Chora porque acabou de engordar alguns quilos de graça. Chora porque, chora.

I S2 BARRACO

Se tem uma coisa que o povo gosta é de ver uma briga. Se rolar grito, tapa, soco, melhor ainda! Se for de mulher, aí que a multidão vai a loucura!

Nos filmes da Sessão da Tarde é sempre assim: ao ver um desentendimento surgindo, um espertalhão logo grita: BRIGA! E todos vem correndo pra assistir o mocinho se digladiar com o malzão no estacionamento da escola.

Nas novelas é a vez das mulheres soltarem os cachorros: quem não se lembra das memoráveis surras que as protagonistas deram nas vilãs para a alegria geral da nação?

E o que dizer então dos programas da tarde da televisão brasileira? É uma lavação de roupa suja só.

Nos reality shows, os dias de briga são os que têm maior ibope!

|Como diz o ditado, pimenta nos olhos dos outros é refresco e, enquanto a porrada não vem pro nosso lado, vamos assistir na íntegra um dos mais intensos bate bocas da televisão brasileira: a Briga da Solange e da Mama do BBB 2 (ou 3? Ou 4? WHATEVER)

Brigas com a balança

E o tema da semana são as brigas!

Uma briga constante na vida de 7 entre 10 mulheres brasileiras - e de homens também, mas queria usar o dado que apareceu no Fantástico de domingo - é a com a balança. Esse simples objeto é um adversário duro. Causa medo, desespero e, muitas vezes, pode te vencer com um golpe baixo: atacando sua mente.

Segundo estudos de universidades internacionais, distúrbios alimentares atingem 2% da população mundial. Pode parecer pouca coisa, mas não é. Levando-se em consideração que, no início do ano, o planeta contava com 6,8 bilhões, aproximadamente 136 milhões de pessoas sofrem com esse tipo de distúrbio. Com início, geralmente, na adolescência, os transtornos sofrem influência de pré disposições genéticas e de fatores genéticos e psicossociais, podedo ser influenciado também por condicionantes como o estresse. As mulheres são as mais afetadas: para cada homem que sofre com esse tipo de doença, existem dez outras mulheres. Os tipos mais comuns de transtornos são a anorexia, a bulimia e o comer compulsivo.

A anorexia nervosa consiste em uma obsessão constante pela magreza, a ponto de se negar a comer para se perder os quilinhos que se pensa que tem a mais. A pessoa passa a se enxergar gorda no espelho, mesmo estando muito abaixo do peso considerado normal para sua altura. O medo de se ganhar peso fala mais alto que qualquer pensamento racional. Como se já não fosse suficiente, a magreza excessiva pode trazer muitos outros problemas à saúde e levar à morte.

Já a bulimia alterna momentos de compulsão alimentar e de culpa, em que a pessoa faz de tudo para se livrar do que comeu em excesso. Para isso, induz o vômito, usa laxantes e diuréticos ou pratica exercícios demais. O bulímico mantém seu peso, o que torna a identificação da doença mais difícil.

O comer compulsivo é como a bulimia, mas não há nenhum tipo de compulsão. Comse-se em exagero, principalmente alimentos extremamente calóricos. A pessoa só para de comer ao se sentir empanturrada, a saciedade não lhe adianta.

Dá para construir um amor?

Hare baba, acabou ontem a novela Caminho das Índias. E eu posso afirmar que a trama, de um modo geral, me apeteceu. E olha que eu estava cheio de preconceitos com relação a essa novela. Acusei-a de ser “O Clone 2”, falei mal da Glória Perez, xinguei a escolha do Márcio Garcia como protagonista. Enfim, estava odiando aquele troço.

Mas aos poucos ela foi me convencendo de que seria uma novela aceitável e eu assisti até o final. O clima indiano espalhafatoso que foi construído contribuiu muito para isso. Eram roupas muito coloridas, pessoas efusivas demais, uma cultura completamente diferente da nossa. Claro que tudo foi feito gloriaperisticamente, mas mesmo assim obteve um resultado interessante.

E um dos assuntos que mais me chamou a atenção foi a relação da Maya com Raj e Bahuan. Pra quem não assistiu, vou fazer um flashback, no estilo Lost. Começa a novela com Maya (Juliana Paes) se apaixonando por Bahuan (o insosso Márcio Garcia), um Dalit. Eles vivem um amor muito intenso (ou pelo menos deveria transparecer nas cenas), mas então a família de Maya resolveu arrumar um marido para ela.

Esse marido é Raj (Rodrigo Lombardi). Segundo minha mãe grande parte das mulheres que eu escutei nesse tempo, ele é o exemplo de marido perfeito: bonito, atencioso, carinhoso, enfim, uma água com açúcar que não existe na vida real. Antes do casamento, Maya e Bahuan se separam e a moçoila passa a viver uma vida ao lado de Raj.

E não é que dá tudo certo? Os dois possuíam um passado marcado por fortes paixões, mas eles vão e descobrindo aos poucos. Com isso, os dois constroem um amor que é bem mais forte que as paixonites que eles tiveram antes. Constituem uma família muito bonita, aprender a aceitar os erros do outro simplesmente pautados no amor.

Pra mim isso foi o maior mérito da novela. Mas não dá pra negar que eu gostei das milhões de surras que a Yvone levou e o modo como ela conseguiu escapar ilesa no final...

Felizes para sempre

“Que seja eterno enquanto dure este amor... por isso não pode durar para sempre”

“ – Édipo!
- Sim, querida?
- Já falei que não é pra me chamar de querida! Me chame de “mamãe”!
- Uphm. O que você quer?
- Traga meu neto aqui... quero conversar com ele.
- Eu já falei que não é pra chamar eles de netos! São seus filhos, caramba!
- Seu pai nunca falou assim comigo!
- Não me compare com seu ex!
(Falando baixinho) – Vou ter uma conversinha com o oráculo um dia desses...”

“- Querida... sabe que dia é hoje?
(Finge de boba) – Não.
- Ah, mas eu acho que sabe...
- Mas é claro que eu sei, Romeu! Para de encher o saco! Não pode ser que todo ano a gente tenha que discutir a mesma coisa!
- Julieta, mas ela já está tão velha...
- Eu não vou ver minha sogra! Não me importa se é o dia do milésimo aniversário, eu não vou ver essa Montecchio ciumenta e rancorosa!

(Dias depois)

- Romeuzinho...
- Não começa.”

“- Onde você estava?
- O que foi, meu amor, como assim onde eu estava? Estava no jardim, passeando...
- E quem era esse homem com você?
- Era jardineiro, bobinho...
- E eu por acaso dei permissão para ele beijar seu pescoço?
- Páris, você está sendo ridículo... Lembra quando você cismou que havia guerreiros dentro daquele cavalo enorme? Isso é a mesma coisa.
- Helena, havia mesmo guerreiros dentro do cavalo.
- É mesmo?
(Murmurando) – Suponho que pedir beleza e ingenio seria demais...”

“- Jack!
- Hum...?
- Você por acaso não sabe onde está o Coração do Oceano?
- Quê...?
- O Coração do Oceano, Jack.
- Ah... não, não tenho a menor idéia.
- Me olhe na cara e diga que não sabe.
- Rose, não seja boba. Eu não tenho a menor idéia de onde essa bobagem está.
- Eu tenho que pagar as contas! Seus últimos desenhos ainda não foram vendidos, lembra?
- Eu juro que não apostei o Coração... Quer dizer, não sei onde ele está, diabos!
- Apostou? Volte aqui, Jack Dawson! Você vai se arrepender de não ter afundado com o restante do maldito barco!”

amor... dicas de livros

O mundo precisa de mais amor. As pessoas estão se tornando muito gananciosas e egoístas. Exemplo claro disso são os relacionamentos atuais. Quantos divórcios acontecem antes mesmo de completar um ano de casamento. As pessoas casam sei lá porque, talvez pra achar alguém pra esquentar o pé a noite, ou dividir a louça suja pra lavar depois da janta... vai saber.
Certa vez eu li, não me lembro mais onde, que a gente tem que falar para as pessoas que as amamos sempre que pudermos, pois não sabemos quando será a última oportunidade. Assim, falo eu te amo mil vezes por dia para os meus pais, avós, irmã e namorado. E eu me sinto bem. Sinto uma angústia quando me despeço deles sem falar "eu te amo", parece que falta alguma coisa... como será ficar dias sem falar isso pra ninguém?
Falando em amor, tenho dois livros para indicar pra vocês, românticos que gostam de um bom livro agua com açucar mela-mela.
O primeiro é "Pássaros Feridos" da Colleen (Torn Birds). O sbt uma vez até exibiu um seriado baseado no livro. É fantástico. Vale muito a pena ler.


Outro é um clássico, no estilo do filme "Doce Novembro". Chama "Love Story" e é bem antigo, mas maravilhoso. Esse é pra morrer de chorar...


Bom a minha postagem não foi das melhores, mas acho que eu não sou a melhor pessoa para falar de amor... apesar de amar muito e ser amada ainda acho que a mente humana é demasiado egoísta pra amar alguém (salvo a mim, meu amor e minha família heheh)

L'amour!

lalala

lalala

passarinhos cantam e o mundo é lindo!



O amor sempre foi um dos assuntos preferidos da humanidade. Nas músicas, nas pinturas, esculturas, histórias e até na conversa do corredor. Vários artistas imortalizaram o amor, sentimento imortal e eterno, mesmo que seja eterno enquanto dure.

O amor é um sentimento sem barreiras. Pode ser amor de casal, amor de irmão, amor de amigo. Amor carnal, amor sentimental, mas o amor é sempre amor. Todos estão a procura de um grande amor. Poucos percebem que no caminho vão conquistando vários. Uma vez começado, o amor te acompanhará pela vida toda. Pode ser que a pessoa amada não seja mais o seu grande amor, mas nas páginas das memórias da vida, aquele amor é eterno.

Que tirem do homem seu dinheiro, sua comida, sua honra,
Mas dele não tirem o amor, pois sem isso ele não sobrevive.

Já diria Torquato Tasso, “Perdido é todo tempo que em amor não se gasta”.

e o importante sempre será que o amor prevaleça!

E o amor está no ar!

E o tema dessa semana, prá te tirar dessa fixação carnal em que te metemos, é o Amor! O Sem Pauta ficará cheio de coraçõezinhos nessa semana!

Ah, o amor. Como já diria Christian, em Moulin Rouge: "Love is a many splendored thing. Love lifts us up where we belong. All you need is love!". Shakespeare disse que "o Amor nos dá asas". Já para o The Verve, é barulho, dor, blues.

O amor é como time de futebol ou partido político: cada um tem uma definição própria, com uma pitadinha do que lhe agrada mais. E isso todo mundo já sabe, então seria uma chatisse falar sobre "o que é o amor" por aqui. Mesmo porque, quem sou eu prá dizer isso, hein?

O amor é cheio de chlichês próprios. "Te amos mais, xuxuzinho". "Não, eu te amo mais, bombonzinho". "Te amo do tamanho do mundo, docinho de côco". E por aí vai, a falta de criatividade não acaba, certo?

Errado. E a prova disso é o site I Love You More Than Blank, que mostra formas direfentes de expressar um sentimento, dizem, tão banalizado. A ideia foi do Paperwhite Studio, e é bem simples: as pessoas vão lá e completam a frase "I Love You More Than _________". As frases aparecem em corações coloridos, divididas em categorias. Dá prá encontrar muita coisa engraçada, como "I love you more than hitting the snooze button", ou "I love you more than a fat kid loves cake". E umas bem "ahn?", como "I love you more than I love balloons". Também tem muita coisa fofa, "I love you more then I knew I did 2 months ago". Clique na imagem a seguir para ler outras declarações ótimas!

Entre no site, tire algumas ideias e deixe uma declaração que combine com você!

Como é que eu vivo sem sexo?

O Ultraje a Rigor surgiu em 1983. E já começou com um sucesso violento. Afinal, como um vinil com as músicas “Inútil” e “mim quer tocar” podia ser um fracasso? Em 1984 foi mais um vinil com duas músicas: “Eu me amo” e “Rebelde sem causa”. Aí sim veio o sucesso absoluto, com o lançamento do LP “Nós vamos invadir sua praia”.

Qualquer um que já tenha escutado um pouco de Ultraje já ouviu as músicas que estavam nesse CD. “Nós vamos invadir sua praia”, “Rebelde sem causa”, “Mim quer tocar”, “Zoraide”, “Ciúme”, “Inútil”, “Marylou”, “Eu me amo” e “Independente futebol clube”. De 11 músicas desse CD, 9 viraram hits. Nem precisa falar porque o ultraje virou uma das maiores bandas brasileiras, não é?

Mas aí veio o CD seguinte: “Sexo”. Só que o sucesso dele não foi tão grande, com apenas 5 hits. “Eu gosto é de mulher”, “Sexo”, “Pelado”, “Ponto de ônibus” e “Maximillian Sheldon”. Tá, uma banda com 5 hits em 10 não é ruim, mas se comparado com o primeiro, foi quase um fiasco.

Então a mídia acabou cansando um pouco do Ultraje. E eles mesmos cansaram daquilo que estavam fazendo. E, em 1989, foi lançado o LP/CD “Crescendo”. Lançado logo após a redemocratização do país, várias faixas do cd eram censuradas e acabavam não sendo transmitidas em muitas rádios, o que fez com que o CD não tenha conseguido muito sucesso. O maior destaque dele é a música “Filho da Puta”. Bem, fazer uma música que falasse mal do país e ainda tivesse um palavrão no refrão é só para pessoas de atitude. E os caras do Ultraje sabem bem o que é isso.

Pois é, aí surgiram os problema e o Ultraje deu uma parada em 93, para retornar em 99, com o CD “18 anos sem tirar”. O único destaque de um cd cheio de remakes? A inédita “Nada a declarar”, novamente com um palavrão no refrão (cu). Em 2002 vem o “Invisível”, que teve uma música na trilha sonora da Malhação. Aliás, ouso dizer que “Me dá um olá” é uma das músicas que eu mais curto do Ultraje, mas deixa pra lá (e o clipe é ótimo).



Aí, em 2005, a MTV vai lá e produz um dos melhores acústico de todos: o “Acústico Ultraje a Rigor”. Todos os grandes clássicos da banda estão lá, tocados de uma forma completamente diferente. Além disso, a versão de “Ciúme” ficou muito melhor que aquele de 1900 e bolinha...



Eles deram uma sumida nos últimos tempos. Roger prometeu um novo trabalho para 2009, “Música esquisita a troco de nada!”. Parece que algumas músicas já estão disponíveis no MySpace da banda, mas vamos ver quando o novo cd aparecer...

O momento da verdade

- Papai!

- Sim, filho?

- Hoje a professora disse na escola que ela, pra ter seu filho, fez "sexo" com o marido. Qué que é sexo?

O pai estava esperando por essa. Não dessa forma, claro, que professora sem-vergonha, mas enfim, estava esperando.

- Filho, sexo é algo que duas pessoas que casam fazem para poder ter filhos. É um ato de amor.

- Não sei não, pai. A mãe de uma das minhas colegas é "divorcidada". Como ela nasceu então?

- Divorciada, filho, divorciada. Mas ela eventualmente esteve casada, não?

- É, verdade. Tendi.

O pai agradece aos céus. Poderia ter sido pior.

- Pai?

- Sim?

- Mas o quê de fato acontece no sexo?

Ah, não, não poderia ter sido pior.

- Eh... no sexo... sabe o pipi?

- Como assim o pipi? Meu pipi?

- Esse mesmo. Todos os meninos tem. As meninas não.

- Aham. E daí?

- E daí que quando duas pessoas se amam, elas...

Os olhos do garoto brilham. Ele vai saber a verdade, por fim.

- Quer saber, filho? Pergunta pra sua mãe. Ela vai saber explicar melhor.

Ele foi fraco, e está consciente disso. Mas ele explica pro próximo. Jura.

guerra dos SEXOS!

Qual a diferença fundamental entre homens e mulheres? Não é a presença de peitos ou pipi... fato! Somos bichos completamente diferentes e bizarros...
Desde novos a gente já sente essa diferença... quando a menininha senta no sofá e conversa com as amigas da vovó, enquanto o menininho se pendura pra subir no armário. Ou quando a menininha brinca de ajeitar suas coisinhas, suas bonequinhas... e o menino de luta, corrida, bola e tudo o que deixa ele IMUNDO!!!!



As diferenças só tendem a aumentar com a idade.
Homens gostam de futebol.
Mulheres gostam de moda.
Homens gostam de carro.
Mulheres gostam de sapatos e bolsas.
Homens falam sobre mulheres.
Mulheres falam sobre mulheres.
Homens são bagunçeiros.
Mulheres são organizadas.
Homens são porquinhos.
Mulheres são mega vaidosas.
Homens gostam de filmes com sangue.
Mulheres gostam de filmes com lágrimas.

Vários são os motivos que diferenciam os dois. Uma vez eu li um livro muito bom. Chama "Por que os homens fazem sexo e as mulheres fazem amor?". Ao contrário do que tendemos a pensar, o livro não fala nada sobre relações sexuais, fala das pesquisas sobre as diferenças entre homens e mulheres. E porque alguns homens e mulheres são homossexuais. Segundo o livro, é tudo genético e a explicação está no cérebro.
Lá tem um teste que você faz para saber se seu cérebro é mais masculino ou mais feminino. Não foi surpresa pra mim ver que o meu é quase 100% masculino, acho que a pequena porcentagem que me resta de feminino é a que me faz amar perdidamente o meu namorado!!



Faça o teste e descubra se você é 100% mulher ou tem aquele Q de homem no seu interior... (o que nos faz ser sensacionais, by the way )

http://arteevicio.com/testes/teste-da-estruturacao-do-cerebro/#more-97

Sexo, ou a falta de...

Já dizia uma modelo de um reality show da mtv que não lembro o nome: só não sente falta de sexo quem nunca fez. E depois que você fez pela primeira vez, está confinado a querer mais e mais até o fim dos dias.

Já está cientificamente provado que o sexo, além de maneira de reprodução, também estimula a liberação de endorfinas, trabalha o corpo, dentre uma lista bem grande de benefícios. Mas quando não há sexo, a tendência não é nada benéfica.

Quantas vezes você já ouviu a frase “aposto que o marido/esposa dormiu de calça jeans” quando alguém estava de mau-humor? É provado cientificamente que a falta de sexo aumenta as chances de incidência de doenças ligadas ao estresse, como neurastenia - mau humor, irritabilidade e cansaço - e até depressão.

As desculpas são variadas. Vão da dor de cabeça ao “to com preguiça hoje”. Quem já viveu sabe, não há bom humor que sobreviva! Tudo e todos vão arcar com as conseqüências de sua desventura pessoal!

Portanto, como diz Chico Buarque em sua música: façamos, vamos amar!

http://www.youtube.com/watch?v=JU0S5gqxnl4